Anabolizantes e a alteração da fertilidade.

Anabolizantes e a alteração da fertilidade.

anabolizantesinfertilidade

O uso dos esteróides anabolizantes pode levar a síndrome do hipogonadismo induzido por esteróides anabolizantes, que é determinada pela supressão da espermatogênese, redução do tamanho testicular, infertilidade e disfunção eréctil.

A testosterona e o estradiol derivado da sua conversão no tecido adiposo são os maiores reguladores do eixo hipotálamo-hipófise-testículo, assim o uso dos esteróides anabolizantes vão causar a supressão dos hormônios LH e FSH hipofisários, levando a redução da produção testicular de testosterona e ao decréscimo da concentração intratesticular da testosterona, e consequentemente, à redução da espermatogênese e da produção de esperma.

Estudos de contracepção hormonal masculina que usaram testosterona sozinha em doses terapêuticas ou em combinação com progesterona induziram uma redução importante (oligoospermia) e até ausência (azoospermia) da produção de espermatozóides. Dos 1549 homens com função testicular prévia preservada que participaram dos 30 diferentes estudos, 67% apresentaram retorno da concentração de espermatózoides acima de 20 milhões/ml em 6 meses, 90% em 12 meses, 96% em 16 meses e 100% em 24 meses.

Nos pacientes que usaram anabolizantes para melhora da performance e aparência, a dosagem é muito superior do que a usada na contracepção hormonal masculina, além de algumas drogas apresentarem efeito de depósito (a nandrolona pode ser detectada na urina por mais de 1 ano após o uso), então, podemos esperar períodos mais longos de 2 anos para completa recuperação.

Segundo os estudos, os pacientes que apresentaram contagem anormal de espermatozóides por mais de 2 anos após o seu uso, provavelmente tinham uma desordem pré-existente da fertilidade. Nestes pacientes, após os 2 anos, a qualidade do espermograma retornou ao padrão prévio ao uso.

Nos pacientes que usam anabolizantes para fins estéticos ou para performance, temos que somar a estes 2 anos o tempo máximo de depósito da droga.

Estudos mostraram que a associação do HCG com os esteróides anabolizantes, apesar de manterem a quantidade de espermatozóides, aumentaram a sua anormalidade morfológica quando comparado ao grupo que só usou esteróides.

Não é aconselhável o uso dos esteróides anabolizantes, mas caso for usar deve-se realizar um check-up hormonal e um espermograma antes. O paciente com infertilidade deve ser acompanhado pelo endocrinologista, pois a melhora do espermograma vai ocorrer apenas se houver o retorno completo do eixo hipotálamo-hipófise-testicular.

Atividade física apenas não emagrece

Atividade física apenas não emagrece

atividadefísicaapenasnãoemagrece

É muito comum no consultório endocrinológico a procura por pacientes que se queixam da dificuldade de perda de peso mesmo realizando atividades físicas diárias. A maioria tem quase certeza absoluta que deve ter alguma alteração hormonal.

Um trabalho publicado no The New England Journal of Medicine, um dos mais bem conceituados jornais médicos, demonstrou que atividade física sozinha não emagrece.

Neste estudo 107 obesos com mais de 65 anos foram acompanhados por 52 semanas, sendo os participantes divididos no grupo controle (não exercita e não faz dieta), no grupo da dieta, no grupo do exercício e no grupo dieta + exercício.

Enquanto o grupo dieta e o grupo dieta + exercício perderam quase 10% do peso corporal, o grupo da atividade física, mesmo tendo melhoras significativas no bem estar e na capacidade física, apresentou a mesma perda de peso que o grupo controle (perda não significativa).

Extrapolando os resultados do estudos, podemos dizer que as pessoas do grupo que fizeram apenas atividade física, apesar de apresentarem um maior gasto calórico diário, provavelmente possuíam um maior consumo energético diário. Para compensar o gasto energético do exercício o nosso corpo nos manda estímulos hormonais para aumentar a ingestão alimentar diária, que muitas vezes em nossa conta passa despercebido.

A atividade física AJUDA na perda de peso, mas o essencial é uma dieta hipocalórica. O exercício tem um papel bem mais importante na manutenção do peso perdido do que no emagrecimento propriamente dito. Algo de extrema importância já que manter o peso é mais difícil do que emagrecer. Além disso ao associar o exercício à dieta, perde-se proporcionalmente mais gordura, preservando assim a massa muscular.

DIETA PARA DEFINIÇÃO MUSCULAR

DIETA PARA DEFINIÇÃO MUSCULAR

dietaparadefiniçãomuscular

Para uma definição muscular ideal devemos perder a maior quantidade de tecido adiposo possível com a menor perda de massa muscular.

Conforme já explicado no post ”É possível emagrecer e hipertrofiar ao mesmo tempo?” oriento que devido a mecanismos hormonais sempre que perdemos gordura perdemos um pouco de massa muscular também.

Para reduzirmos ao máximo a perda de gordura devemos elaborar uma dieta com 1,8 a 2,7 gr de proteína/Kg (quantidade superior do que para hipertrofia), com 3 a 4 gr de carboidrato/kg e com 0,5 a 1,0 gr de gordura de alta qualidade/kg de peso corporal.

Deve-se praticar exercícios de resistência (musculação) pelo menos 2 x por semana associado com atividade aeróbica variada por 5 a 6 X por semana.

Mas em relação a quantidade de caloria dietética, como devemos proceder? Sabemos que para perder 1 kg de peso por semana deve-se reduzir da dieta 500 kcal ao dia (3500 kcal por semana), porém deste valor quanto perdemos de gordura e quanto perdemos de massa livre de gordura? Quanto maior a porcentagem de gordura corporal do paciente, proporcionalmente maior será a perda de gordura, porém aquele paciente que já é magro e deseja uma definição muscular pode perder até 50% do peso em massa muscular.

No paciente que deseja uma definição muscular a dieta deve ser preparada com muito cuidado e deve ser realizado cálculos específicos. Inicialmente através de fórmulas, como a de Harris- Benedict ou Cunningham, que através dos dados do sexo, idade, altura e nível de atividade diária calculamos o metabolismo basal e o gasto calórico diário. Depois devemos calcular aproximadamente o gasto energético da atividade física realizada (Cálculo de METs – através dos dados do tipo da atividade física, intensidade, peso do paciente e tempo da atividade realizada).

Ao prescrever a dieta devemos subtrair o valor dietético diário que será oferecido (obtido pela redução de 200 a 500 kcal do gasto calórico diário) pelo gasto da atividade física realizada (METs). Esta subtração nos fornecerá a ENERGIA DISPONÍVEL ESTIMADA (estEA), que para evitar a perda máxima de massa muscular deve ser de 30 a 45 kcal/kg de massa livre de gordura/dia (dados fornecidos pela avaliação da composição corporal – aferições da pregas cutâneas, bioimpedância ou DEXA).
Uma dieta abaixo de 30 kcal/dia levará a perda importante da massa muscular e poderá levar também a síndrome da mulher atleta, que é definida pela irregularidade menstrual, distúrbios alimentares e predisposição a osteoporose, além levar a imunodepressão do atleta.

Então, caso você for ao médico/nutricionista com desejo de realizar um tratamento de definição muscular e sua dieta não for específica para você (definida por cálculos) e não for avaliado sua composição corporal, te aconselho a procurar outro especialista.

DIFICULDADE NA HIPERTROFIA MUSCULAR: MOTIVOS MÉDICOS?

DIFICULDADE NA HIPERTROFIA MUSCULAR: MOTIVOS MÉDICOS?

Dificuldade na hipertrofia

Apesar de uma alimentação adequada (hipercalórica + hiperproteica), uma suplementação específica (Creatina , Beta-alanina, BCAA , whey protein….) e uma atividade física direcionada, muitas vezes existe uma grande dificuldade de se conseguir uma hipertrofia muscular adequada.

Existem causas endocrinológicas (alterações da hipófise, adrenal, tireóide, ovários, testículos, pancreáticas….), sistêmicas (alterações renais, hepáticas, gastrointestinais….), infecciosas/inflamatórias e medicamentosas (corticóides, anti-inflamatórios, anticoncepcionais, antidepressivos….) que interferem no processo de anabolismo muscular.

Procure sempre um endocrinologista para uma avaliação mais especializada.

É POSSÍVEL EMAGRECER E HIPERTROFIAR AO MESMO TEMPO?

É POSSÍVEL EMAGRECER E HIPERTROFIAR AO MESMO TEMPO?

EMAGRECER X HIPERTROFIAR

Está possivelmente é a grande dúvida e a maior vontade de todos que praticam esporte com o intuito de melhorar a composição corporal.

Infelizmente, sem o uso de esteróide anabolizantes, este desejo é praticamente impossível de se alcançar e é por isso que realizamos uma periodização de treinamento, sendo em uma primeira fase buscado uma hipertrofia muscular seguido por uma fase de definição muscular. (ou vice-versa).

As alterações hormonais e metabólicas da hipertrofia muscular são antagônicas a da definição, então, mesmo com um treinamento específico e uma alimentação bem planejada, iremos ganhar um pouco de gordura junto com o aumento da massa muscular, porém, a porcentagem de gordura total pode reduzir pela proporção do aumento de massa magra.

Em uma segunda fase do treinamento iremos objetivar uma definição muscular, reduzindo ao máximo a quantidade de gordura corporal com a menor perda possível de massa magra.

Assim, ao final das duas fases, você terá alcançado o seu objetivo primário, apresentando uma maior quantidade de músculo e uma menor quantidade de gordura corporal.

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?