Anabolizantes e o câncer de mama

Anabolizantes e o câncer de mama

O câncer de mama é o carcinoma mais frequente nas mulheres, com o surgimento de 96 casos para cada 100.000 mulheres.

Nos últimos anos, a prescrição de testosterona para tratamento da disfunção sexual feminina, aumentou a preocupação médica com sua possibilidade do aumento do risco de câncer de mama.

Os estudos a longo prazo realizados com mulheres transexuais que recebem doses suprafisiológica de testosterona objetivando a masculinização não demostraram aumento do risco de câncer de mama. Achados semelhantes foram verificados em mulheres com síndrome do ovário policístico, que apresentam um aumento significativo da testosterona plasmática.

Aparentemente, antes da menopausa, as mulheres usuárias crônicas de anabolizantes esteróides não demonstram uma associação entre o nível plasmático de testosterona e o risco de câncer de mama.

Já as mulheres na pós menopausa, apresentam um pequeno aumento do risco, mas apenas nos tipos de câncer de mama com receptor para estrogênio e progesterona.

Estes dados são fornecidos para orientar a população e não estimular o uso de qualquer substância que implique risco aumentado à saúde.

Saiba mais em www.endocrinologiaesportiva.com.br

 

CAUSAS MEDICAMENTOSAS DE AUMENTO DE PESO

CAUSAS MEDICAMENTOSAS DE AUMENTO DE PESO

CAUSAS MEDICAMENTOSAS DE AUMENTO DE PESO

 

Existem vários medicamentos que estimulam o ganho de peso ou que dificultam a sua perda.

Nos pacientes com doenças crônicas que irão usar medicação a longo prazo ou/e que apresentam dificuldade de perda de peso, devemos ao máximo, realizar a troca do remédio por um que não influencie no peso ou até mesmo que o ajude a emagrecer. Felizmente, pelo número de medicações existente, isto é possível.

Abaixo apresento uma lista parcial das medicações associadas ao aumento de peso. Procure sempre um endocrinologista para ajudá-lo.

Antidiabéticos: Insulinas, Glimepirida, Glibenclamida, Glicazidas, Nateglanidas, Repaglinidas e Pioglitazona.

Antidepressivos e estabilizadores do humor: Tricíclicos (Nortriptilina, Imipramina, Clomipramina, Amitriptilina), Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina (alguns, como a paroxetina), Mirtazapina e Lítio.

Antipsicóticos: Clozapina, Risperidona, Olanzapina, Quetiapina e Haloperidol.

Anticonvulsivantes: Carbamazepina, Gabapentina e Valproato.

Antihistamínicos: Ciproeptina (presente no Cobavital), Difenidramina (Difenedrin e presente também no Benalet, Cladryl, Expectil, Notuss e Trimedal) e Doxepina.

Antihipertensivo: Propranolol e Doxazosina (usado também na hiperplasia da próstata)

Corticoesteróides: todos os orais e injetáveis. Alguns tópicos e nasais como a Budesonida.

Anticoncepcionais: Muitos. Associados principalmente com a alteração da composição corporal.

Saiba mais em endocrinologiaesportiva.com.br.

Quanto mais músculo mais saúde

Quanto mais músculo mais saúde

Assista ao vídeo explicativo do Dr. Rafael Fantin, endocrinologista e especialista em medicina do esporte, falando sobre o tema proposto acima.

 

Com quanto mais músculo você estiver após os 60 anos, menor será o seu risco de doenças cardiovasculares.

O músculo protege o coração e o aumento, por ser acumulativo, deve começar no adulto jovem!

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?