Dormir mal aumenta a vontade de comer doce

Dormir mal aumenta a vontade de comer doce

Se você está tendo dificuldade de reduzir o consumo de alimentos rico em açúcar e gordura, pode ser porque não está dormindo o suficiente.

Quanto mais baixa a qualidade e a quantidade do sono maior é o consumo de açúcares adicionados, gorduras saturadas e cafeína e menor é a ingesta de grãos integrais e fibras.

Além disso, segundo o estudo da Journal of the American Heart Association, as mulheres que não dormem bem ou o suficiente, consumem em média 500 a 800 calorias a mais.

O motivo é que piora do sono interfere no hipotálamo (área do cérebro que controla a ingestão de calorias e o metabolismo) e no hipocampo (área do cérebro que regula o desejo), desequilibrando os hormônios que controlam a fome, a plenitude e a saciedade e estimulando o desejo por alimentos não saudáveis.

Para dormir melhor faça uma boa “higiene do sono” e desenvolva uma rotina de relaxamento antes de dormir.

Measures of Poor Sleep Quality Are Associated With Higher Energy Intake and Poor Diet Quality in a Diverse Sample of Women From the Go Red for Women Strategically Focused Research Network
Faris M. Zuraikat PhD , Nour Makarem PhD , Ming Liao MS , Marie‐Pierre St‐Onge PhD, FAHA , and Brooke Aggarwal EdD, MS

A suplementação de vitamina D pode reduzir os riscos de infecção e morte por Covid 19

A suplementação de vitamina D pode reduzir os riscos de infecção e morte por Covid 19

Ao auxiliar na imunidade, este recente estudo sugere que a suplementação de vitamina D pode reduzir o risco de infecções virais e bacterinas, incluindo o SARS-COV19 e as suas infecções bacterianas secundárias.

Os mecanismos propostos são:
– Manutenção das junções celulares estreitas e aderentes, que fortalece as nossas barreiras celulares.
– Indução da produção de peptídeos antimicrobianos, que degradam as membranas dos patógenos, inibem as suas toxinas e reduzem as replicações virais.
– Moderação da tempestade inflamatória ao reduzir a produção de citocinas pró-inflamatórias e ao aumentar a expressão de citocinas anti-inflamatórias.

Segundo o artigo, para reduzir o risco de infecção de influenza e/ou COVID-19, deve-se considerar uma suplementação de 10.000 UI/dia de vitamina D3 por 4 semanas para se aumentar rapidamente as concentrações séricas de 25 (OH) vit D, seguido por uma dose de manutenção de 5000 UI/dia, objetivando manter as concentrações de 25 (OH) Vit D acima de 40-60 ng/ml.

Tanto as doses de prescrição quando a concentração plasmática sugeridas extrapolam e em muito a dose sugerida pela grande maioria das sociedades, incluindo as de endocrinologia, nefrologia, patologia e cardiologia.

A prescrição de vitamina D deve ser cuidadosa, tendo como base a sua concentração plasmática inicial e deve ser controlada pelo aumento da velocidade de suas concentrações e pelos níveis plasmáticos e urinários de cálcio.

O uso de doses suprafisiológicas de vitamina D podem levar a alterações cardíacas e renais graves, acelerar o surgimento de placas ateroscleróticas e aumentar a incidência de cálculos renais.

RESUMINDO, sem acompanhamento especializado nem pensar.

Grant WB, Lahore H, McDonnell SL, et al. Evidence that Vitamin D Supplementation Could Reduce Risk of Influenza and COVID-19 Infections and Deaths. Nutrients. 2020;12(4):E988. Published 2020 Apr 2. doi:10.3390/nu12040988

Dietas hiperproteicas e função renal

Dietas hiperproteicas e função renal

A ingesta de proteína vem crescendo gradualmente. Pense em um nome de dieta e provavelmente ela será hiperproteica. O motivo é que o aumento da ingestão de proteína reduz o apetite, aumenta a saciedade, estimula a termogênese alimentar, promove o ganho de músculos na musculação e preserva a massa magra durante o emagrecimento e o envelhecimento.

Porém, apesar de todos estes benefícios, seu consumo é às vezes desencorajado por alguns. A hipótese amplamente defendida é que a dieta hiperproteica ao aumentar a quantidade dos solutos renais (ex: uréia), leva a uma hiperfiltração glomerular compensatória, o que pode ocasionar um dano glomerular e uma eventual disfunção renal. 

Está é uma verdade nos pacientes com uma disfunção renal pré-estabelecida. Seus néfrons apresentam uma capacidade reduzida de filtração e um aumento da carga de solutos leva a anormalidades metabólicas, tanto que uma dieta de baixa proteína faz parte do tratamento.

Já nos indivíduos saudáveis, uma reserva renal funcional, aumenta a capacidade fisiológica de filtração em resposta ao consumo de proteína, removendo  mais  solutos em resposta ao aumento da sua quantidade. Esta resposta adaptativa não é fator de risco para o desenvolvimento da disfunção renal.

Assim, se você tiver uma função renal preservada, o aumento da ingestão de proteína não lhe fará mal.

Saiba mais sobre a consulta em http://www.rafaelfantin.com

Robert & Phillips, Stuart. (2018). Changes in Kidney Function Do Not Differ between Healthy Adults Consuming Higher- Compared with Lower- or Normal-Protein Diets: A Systematic Review and Meta-Analysis. The Journal of Nutrition. 148. 1760-1775. 10.1093/jn/nxy197.

 

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?