MELATONINA, A RECEITA PARA UM BOM SONO

MELATONINA, A RECEITA PARA UM BOM SONO

Cerca de 35 a 40% da população é acometida pelo distúrbio do sono. A dificuldade de dormir e a sonolência diária atrapalham o convívio social, a concentração no trabalho e é uma das principais causa do estresse.

Inúmeras medicações foram desenvolvidas para o tratamento da insônia, entretanto, apresentam importantes efeitos colaterais, como a dependência e o efeito residual diurno. Uma alternativa a isto é a terapia com a melatonina, um hormônio secretado pela glândula hipófise em resposta às variações do ciclo circadiano (relógio biológico do corpo).

Uma meta-análise com 1.683 pessoas, crianças e adultos, demonstrou que a melatonina reduz o tempo para “pegar” no sono, aumenta o tempo total do sono e, principalmente, melhora a qualidade do sono. E o melhor: em contraste com a maioria das outras medicações, não causa dependência ou “ressaca” no dia seguinte.

Com a melatonina consegui suspender em vários pacientes o uso do Rivotril, a medicação mais vendida no mundo, que causa dependência e está associada ao início precoce de demência.

Chega de viver pesadelos! Vamos ajustar o seu relógio.

 

HIPERTENSÃO E PERFORMANCE

HIPERTENSÃO E PERFORMANCE

O tratamento vai reduzir a minha performance física? Essa é uma das principais dúvidas dos atletas hipertensos.

Um estudo realizado em atletas com pressão arterial considerada normal (≤ 120/80), normal-alta (120 a 140/80 a 90) e alta (≥140/90), demonstrou que a capacidade cardiopulmonar (VO2) reduz a medida que há um aumento da pressão arterial, sendo respectivamente de 53,2; 48 e 45 ml/kg/min. Então, na verdade, o tratamento da hipertensão irá melhorar a sua performance atlética.

Contudo, o ideal é que o atleta siga um tratamento indicado por um cardiologista especializado em medicina esportiva, pois, dependendo da medicação utilizada (ex: diuréticos e beta-bloqueadores), realmente poderá ocorrer uma redução do desempenho e o atleta pode inocentemente cair no dopping.

A pressão alta não é uma contraindicação absoluta ao exercício físico, e sim uma forma de tratamento.

DESCONFORTO ABDOMINAL DURANTE O EXERCÍCIO

DESCONFORTO ABDOMINAL DURANTE O EXERCÍCIO

DesconfortoAbdominalDurante uma atividade física mais prolongada ou intensa há um desvio do fluxo sanguíneo dos órgãos mais nobres (rins, fígado, baço e intestino) para a musculatura que está sendo trabalhado e também para a pele. O corpo reage assim para aumentar o aporte de oxigênio e glicose os músculos e para facilitar a perda de calor cutânea.

Alguns tipos de desconfortos abdominais são percebidos de acordo e cada um indica um tipo diferente de reação:

  • Aquela “pontada” na parte superior do abdome é devido a uma contração mais vigorosa da cápsula hepática (à direita) ou do baço (à esquerda) para direcionar o sangue ao sistema cardiovascular.
  • A dor abdominal difusa em cólica é oriunda de uma respiração incorreta, com uma maior deglutição de ar, que determina uma distensão das alças intestinais.
  • A dor abdominal difusa associada a um mal-estar e vontade de evacuar é originada por uma leve isquemia das alças intestinais. Há uma vasoconstrição intestinal exagerada e pode acontecer durante ou ao final dos treinos.

Todos os desconfortos abdominais apresentam tratamento ou ações preventivas. Se você sente esses ou outros tipos de dores, procure um especialista.

VITAMINA C: PORQUE SUPLEMENTAR

VITAMINA C: PORQUE SUPLEMENTAR

Na época da residência de clínica médica, foi me ensinado que a deficiência da vitamina C em nosso organismo era muito rara, já que está presente em boa parte dos alimentos que ingerimos diariamente. Mas, não foi isso que notei quando iniciei na medicina esportiva.

A vitamina C é muito importante em várias reações metabólicas e também tem propriedade antioxidante. Portanto, um atleta com deficiência desta vitamina não alcançará um alto desempenho. A partir deste conhecimento, passei a solicitar a dosagem de vitamina C e fiquei bem aflito com os resultados, já que vários dos meus atletas, inclusive os de elite, apresentavam tal deficiência.

A deficiência da vitamina C pode se manifestar como cansaço, fraqueza, dores musculares e articulares, pele ressacada, queda de cabelo, sangramento gengival e nasal, hematomas espontâneos, falta de apetite, perda de peso, mudanças de humor, anemia, má cicatrização e redução da imunidade.

Os alimentos ricos em vitamina C são: lichia, laranja, tangerina, limão, manga, abacaxi, goiaba, melão, kiwi, morango, acerola, caju, tomate, brócolis, espinafre, aspargos, couve Verde, repolho, rúcula e agrião.

Você sabe como anda a sua vitamina C? Consulte um endocrinologista!

REFLUXO GASTROESOFÁGICO E ESPORTE

REFLUXO GASTROESOFÁGICO E ESPORTE

Refluxo e esporte

No esporte são muito comuns as queixas de azia, queimação, regurgitamento e empachamento, que podem ocorrer desde o início da atividade física até durante o sono. Isso são sintomas do refluxo gastroesofágico, que acontece por uma incompetência do esfíncter esofagiano inferior que permite o retorno do conteúdo ácido do estômago para o esôfago, levando a uma irritação da mucosa.

Para evitar esses incômodos, é importante observar alguns hábitos.

Nos exercícios de resistência, a principal causa dessas queixas é uma dieta pré-treino inadequada. A alimentação tem que ser realizada no máximo 30 a 60 minutos antes do treino e deve-se evitar alimentos ricos em fibras e proteínas (desaceleradores da motilidade gástrica) e gordura (relaxadora do esfíncter esofagiano inferior). Se houver consumo de soluções repositoras de glicose durante a atividade, a concentração da solução deve ser de no máximo 8%, pois concentrações maiores retardam o esvaziamento gástrico e causam sensação de empachamento.

Já no treinamento de força, além da alimentação pré-treino inadequada (seguir as mesmas orientações descritas para o treinamento de resistência), o aumento da pressão abdominal também causa o refluxo. Durante o carregamento de peso, a contração da musculatura abdominal e também a respiração inadequada fazem com que o ar preso nos pulmões force uma pressão gástrica adicional. Por isso, deve-se evitar atividades de força na posição inclinada de cabeça para baixo, como em um exercício de abdominal.

Portanto, o tratamento do refluxo é feito antes e durante os exercícios. Se necessário o uso de medicamentos, temos que ter cuidado com a escolha, já que alguns remédios podem causar desde desconforto intestinais até sonolência, com consequente redução da performance.

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?