NÃO SE ABANDONE NO ISOLAMENTO!

Temos nos sentido desanimados e indispostos, deixando de lado nossa rotina de exercícios ou nossa dieta. Mas, não podemos descuidar! A Covid-19 é uma doença inflamatória de fase aguda, então qualquer situação inflamatória pré-existente pode agravar o quadro.

Cuidado! Uma dieta de má qualidade e o sedentarismo levam a uma inflamação crônica.

Já a atividade física libera um hormônio chamado irisina, que dificulta a entrada e a multiplicação do vírus nas vias respiratórias, e também produz as miocinas, que apresentam uma ação anti-inflamatória, te protegendo da pior fase da infecção: a tempestade de citocina.

Para te ajudar a se manter seguro e saudável, deixo aqui algumas dicas:

– Siga uma rotina com horários para dormir, acordar, trabalhar, fazer exercícios, etc.
– Evite carboidratos em excesso e de alto índice glicêmico, pois te levam à compulsão alimentar.
– Não coma alimentos ultraprocessados só porque são fáceis de estocar. Descasques mais e desembale menos!
– Consuma álcool com moderação.

Independente do lugar, o importante é se exercitar!

Você não precisa ir a academia ou correr nos parques para manter-se ativo. Muitos exercícios podem ser feitos dentro de casa.

Você pode optar por aplicativos ou mesmo ter um serviço personalizado, coordenado por um profissional de educação física. A consultoria online fitness é uma modalidade que cresceu muito do último ano para cá. Você deve considerar ter um personal também!

E não abandone o seu tratamento!
Controle sempre o seu peso, a pressão, o colesterol e a glicose.

SEDENTARISMO X OBESIDADE: O QUE É MAIS PERIGOSO?

SEDENTARISMO X OBESIDADE: O QUE É MAIS PERIGOSO?

Não é novidade para ninguém que manter-se com o peso ideal é um importante fator para garantir boas condições de saúde.

Mas, você sabia que pessoas magras e inativas têm maior risco de morrer por problemas de saúde do que pessoas obesas que se exercitam?

O sedentarismo é muito perigoso!

Um estudo da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, mostrou de das 9,2 milhões de mortes ocorridas em 2015, 676 mil estavam ligadas a hábitos sedentários enquanto 337 mil tiveram decorrência da obesidade. Ou seja, o sedentarismo matou o dobro de pessoas em relação à obesidade.

O estudo revelou ainda que a maior redução no risco de morte prematura está na comparação entre os grupos de indivíduos considerados “inativos” e “moderadamente ativos”. Isso quer dizer que o risco de morte diminui em até 30% se você fizer 300 minutos de atividades moderadas ou 150 minutos de atividades intensas por semana.

E você, já se exercitou hoje?

POR QUE É TÃO DIFÍCIL SABER O QUE COMER?

POR QUE É TÃO DIFÍCIL SABER O QUE COMER?

Há décadas estamos nos debatendo com as mesmas questões: devemos nos concentrar na redução de carboidratos ou gordura? O ovo faz bem? A carne vermelha é prejudicial? O açúcar é tóxico?

A maioria dos estudos com dieta tendem a falhar porque são complexos. Comparando aos estudos com medicamentos, os estudos com dieta apresentam cerca de quatro vezes mais chances de ter discrepâncias. Os motivos são:

– Os testes com dieta exigem que os indivíduos mudem os seus hábitos alimentares, um desafio muito maior do que tomar uma pílula. Supõe-se que a dieta não funcionou, mas na verdade são os voluntários que não foram capazes de seguir as dietas atribuídas.

– Quando o estudo avalia a distribuição de macronutrientes da dieta (carboidratos, gordura e proteína), ao se avaliar o aumento da ingestão de uma dada categoria de alimentos, automaticamente os pacientes passam a comer menos de outras categorias de alimentos, dificultando a atribuição de resultados a qualquer componente alimentar específico.

– A grande maioria dos estudos são observacionais e podem até mostrar uma associação, mas não provam a causa.

– Ensaios clínicos são realizados por curtos períodos de tempo e sabemos que o corpo leva semanas para se adaptar às mudanças dos nutrientes.

Assim, vale a pena usar do bom senso e moderação!

COVID-19: A OBESIDADE É MESMO UM FATOR DE RISCO?

COVID-19: A OBESIDADE É MESMO UM FATOR DE RISCO?

Sim! A obesidade está associada aos casos severos da Covid-19.

A relação foi confirmada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) em um estudo recente, publicado no Morbidity and Mortality Weekly Report. Foram avaliados 150 mil adultos e as análises mostraram que o risco de ser hospitalizado é:

– 7% maior para adultos com índice de massa corporal (IMC) entre 30 e 34,9 (equivalente à obesidade grau I)

– 33% maior para aqueles com IMC de 45 (obesidade grau IV)

Mais alarmante ainda são os índices de intubação. Enquanto adultos com sobrepeso (IMC de 25 a 29,2) têm 12% a mais de chances de serem intubados, esse risco é de 108% em pacientes com o IMC de 45 ou mais.

O risco de morte varia de 8% a 61% em pessoas com IMC a partir de 30.

Todos os valores foram comparados às pessoas com IMC saudável (entre 18,5 e 24,9).

Portanto, não descuide da sua saúde. Usar máscara e higienizar as mãos é muito importante, mas ter uma alimentação saudável e manter o peso ideal é fundamental.

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?