NÃO SE ABANDONE NO ISOLAMENTO!

Temos nos sentido desanimados e indispostos, deixando de lado nossa rotina de exercícios ou nossa dieta. Mas, não podemos descuidar! A Covid-19 é uma doença inflamatória de fase aguda, então qualquer situação inflamatória pré-existente pode agravar o quadro.

Cuidado! Uma dieta de má qualidade e o sedentarismo levam a uma inflamação crônica.

Já a atividade física libera um hormônio chamado irisina, que dificulta a entrada e a multiplicação do vírus nas vias respiratórias, e também produz as miocinas, que apresentam uma ação anti-inflamatória, te protegendo da pior fase da infecção: a tempestade de citocina.

Para te ajudar a se manter seguro e saudável, deixo aqui algumas dicas:

– Siga uma rotina com horários para dormir, acordar, trabalhar, fazer exercícios, etc.
– Evite carboidratos em excesso e de alto índice glicêmico, pois te levam à compulsão alimentar.
– Não coma alimentos ultraprocessados só porque são fáceis de estocar. Descasques mais e desembale menos!
– Consuma álcool com moderação.

Independente do lugar, o importante é se exercitar!

Você não precisa ir a academia ou correr nos parques para manter-se ativo. Muitos exercícios podem ser feitos dentro de casa.

Você pode optar por aplicativos ou mesmo ter um serviço personalizado, coordenado por um profissional de educação física. A consultoria online fitness é uma modalidade que cresceu muito do último ano para cá. Você deve considerar ter um personal também!

E não abandone o seu tratamento!
Controle sempre o seu peso, a pressão, o colesterol e a glicose.

1 KG DE MÚSCULO X 1 KG DE GORDURA

1 KG DE MÚSCULO X 1 KG DE GORDURA

COMPARAÇÃO VOLUMÉTRICA ENTRE 1 KG DE MÚSCULO E 1 KG DE GORDURAEsta é a comparação volumétrica entre 1 kg de gordura e 1 kg de músculo.

Agora você entende porque no emagrecimento o resultado do tratamento fica evidente mais rapidamente?

Na hipertrofia, não basta perder gordura, mas o ganho de massa magra tem que ser superior a esta perda para que o efeito seja perceptivo.

Para garantir bons resultados, o ideal é sempre optar pela periodização de treinamento, suplementação e alimentação. Afinal, não adianta ter bons quilos de músculos se estiverem cobertos por capas espessas de tecido adiposo.

 

O QUE É UM ENDOCRINOLOGISTA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE?

O QUE É UM ENDOCRINOLOGISTA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE?

endocrinologiaesportiva

 

O Endocrinologista e Metabologista é o médico especialista em hormônios e metabolismo. Para ser reconhecido pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, o médico formado tem que se especializar por dois anos em clínica médica e por mais dois anos em endocrinologia e metabologia, além de prestar e passar na prova de título realizada anualmente pela sociedade (SBEM).

O endocrinologista é especializado em obesidade, doenças da tireóide, paratireóide, adrenal, hipófise, ovários, testículos, pâncreas (diabetes), metabolismo ósseo, retardo e aceleração do desenvolvimento sexual, baixa e alta estatura, deficiência de vitaminas e sais minerais, hirsutismo (excesso de pêlos) e dislipidemia (gordura no sangue).

O endocrinologista com ênfase no esporte, associa todos os seus conhecimentos em hormônios e metabolismo com a fisiologia do esporte, a nutrição e nutrologia esportiva (suplementação alimentar) e as bases do treinamento físico, com a intensão de aperfeiçoar o desempenho dos atletas (recreativos e profissionais), a composição corporal (FITNESS – reduzir gordura e aumentar a massa muscular) e a qualidade de vida.

O endocrinologista esportivo deve sempre trabalhar em equipe com o nutricionista esportivo e com o educador físico, pois para alcançar o foco desejado o atleta deve ter uma alimentação balanceada e praticar uma atividade física orientada e específica. Estes profissionais não se anulam, mas se potencializam!

 

 

Anabolizantes e o câncer de mama

Anabolizantes e o câncer de mama

O câncer de mama é o carcinoma mais frequente nas mulheres, com o surgimento de 96 casos para cada 100.000 mulheres.

Nos últimos anos, a prescrição de testosterona para tratamento da disfunção sexual feminina, aumentou a preocupação médica com sua possibilidade do aumento do risco de câncer de mama.

Os estudos a longo prazo realizados com mulheres transexuais que recebem doses suprafisiológica de testosterona objetivando a masculinização não demostraram aumento do risco de câncer de mama. Achados semelhantes foram verificados em mulheres com síndrome do ovário policístico, que apresentam um aumento significativo da testosterona plasmática.

Aparentemente, antes da menopausa, as mulheres usuárias crônicas de anabolizantes esteróides não demonstram uma associação entre o nível plasmático de testosterona e o risco de câncer de mama.

Já as mulheres na pós menopausa, apresentam um pequeno aumento do risco, mas apenas nos tipos de câncer de mama com receptor para estrogênio e progesterona.

Estes dados são fornecidos para orientar a população e não estimular o uso de qualquer substância que implique risco aumentado à saúde.

Saiba mais em www.endocrinologiaesportiva.com.br

 

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?