Óleo de coco

Óleo de coco

Posicionamento oficial das Sociedades Brasileiras de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e de Obesidade (ABESO) sobre o uso do óleo de coco para perda de peso.

Considerando que:
1. Muitos nutricionistas e médicos estão prescrevendo óleo de côco para pacientes que querem emagrecer, alegando sua eficácia para tal propósito;
2. Não há qualquer evidência nem mecanismo fisiológico de que o óleo de côco leve à perda de peso;
3. O uso do óleo de côco pode ser deletério para os pacientes devido à sua elevada concentração de ácidos graxos saturados, como ácido láurico e mirístico;

A SBEM e a ABESO posicionam-se frontalmente contra a utilização terapêutica do óleo de coco com a finalidade de emagrecimento, considerando tal conduta não ter evidências científicas de eficácia e apresentar potenciais riscos para a saúde.

A SBEM e a ABESO também não recomendam o uso regular de óleo de coco como óleo de cozinha, devido ao seu alto teor de gorduras saturadas e pró-inflamatórias.

O uso de óleos vegetais com maior teor de gorduras insaturadas (como soja, oliva, canola e linhaça) com moderação, é preferível para redução de risco cardiovascular.

Saiba mais em endocriologiaesportiva.com.br

Controle o seu peso na gestação

Controle o seu peso na gestação

Qual é o aumento ideal de peso na gestação?

O controle adequado do peso na gestante é feito a partir do seu IMC inicial (Peso em Kg/Alt² em M).

É importante se ater que o IMC não avalia a composição corporal da paciente, então na elaboração da dieta devemos tentar extrapolar este raciocínio de acordo com a quantidade total de gordura corporal.

Abaixo a regra para o seu acompanhamento. Vai servir para você entender como está sendo a sua evolução e se sair da curva adequada do ganho de peso, procure profissional adequado.

Marque a sua amiga gestante. 

Baixo peso (IMC < 18,5): 2,3 kg no 1º trimestre + 0,5 kg/semana nos 2º e 3º trimestre, podendo ganhar durante toda a gestação de 12,5 a 18 kg.

Peso adequado (IMC 18,5-24,9): 1,6 kg no 1º trimestre + 0,4 kg/semana nos 2º e 3º trimestre, podendo ganhar durante toda a gestação de 11 a 16 kg.

Sobrepeso (IMC 25-30): 0,9 kg no 1º trimestre + 0,3 kg/semana nos 2º e 3º trimestre, podendo ganhar durante toda a gestação de 7 a 11,5 kg.

Obesa (IMC < 30): não ganhar peso no 1º trimestre + 0,2 kg/semana nos 2º e 3º trimestre, podendo ganhar durante toda a gestação de 5 a 9 kg.

Saiba mais em:

rafaelfantin.com.br

endocrinologiaesportiva.com.br 

 

A dieta ocidental piora a performance aeróbica

A dieta ocidental piora a performance aeróbica

A dieta ocidental (americanizada ou moderna) é caracterizada por um alto consumo de carboidratos e açucares processados e por gorduras saturadas, que levam a um aumento rápido da glicose e da resistência à insulina, determinando um estado de hiperglicemia crônica.

A hiperglicemia crônica induz um aumento da densidade e da rigidez muscular (aumento da área total de matriz extracelular, da glicação e do conteúdo de colágeno), aumentando o estresse mecânico do exercício.

Assim, o exercício aeróbico passa a ser interpretado pela musculatura como um tipo de treinamento resistido (com carga), inibindo os processos de aumento da capacidade aeróbica, como o aumento da densidade vascular e da proporção de fibras musculares oxidativas.

Estes desfechos são muito piores em pacientes com resistência à insulina, pré-diabetes ou diabetes. Quanto pior o controle do metabolismo da glicose, maior é a desadaptação ao exercício aeróbico.

A mudança da dieta e um adequado controle farmacológico da glicose determinam um retorno ao aumento da capacidade aeróbica. Alguns cuidados devemos ter, como por exemplo evitar o uso da metformina (medicação mais usada para o controle da glicose), que por outros mecanismos pioram o desempenho aeróbico (já feito um post prévio sobre este assunto).

Procure com endocrinologista com ênfase no exercício e no esporte.

Conselhos sobre alimentação precoce para bebês

Conselhos sobre alimentação precoce para bebês

As exposições nutricionais durante os primeiros 1.000 dias de vida contribuem para a saúde a longo prazo, moldam as preferências de gosto e as escolhas alimentares futuras.

Amamentação:

O leite materno contém micronutrientes saudáveis e importantes para o desenvolvimento do bebê e reduzem o risco de sobrepeso/obesidade, diabetes tipo 1 e asma.

Os Bebês alimentandos por fórmulas tendem a ter um maior ganho de peso, possivelmente por conterem uma maior concentração de proteínas ou pela superalimentação induzida pelo cuidador que opta pela supernutrição e pelo não desperdício de alimentos.

Introdução de alimentos:

Comece somente após os 4 meses de idade, antes está associado a um risco aumentado de obesidade de 2 a 12 anos.

Açúcar:

Evite alimentos e bebidas com adição de açúcares durante os primeiros 2 anos de vida.  O consumo destes produtos reduzirá a de alimentos ricos em nutrientes, levando a inadequações nutricionais e estão associados ao aumento do risco de sobrepeso ou obesidade.

Saiba como procurar o que é açúcar nos rótulos alimentares: açúcar mascavo, adoçante de milho, xarope de milho, dextrose, frutose, glicose, xarope de milho com alto teor de frutose, mel, lactose, xarope de malte, maltose, melaço, açúcar bruto e sacarose.

Suco de frutas:

Embora o suco de fruta 100% pareça oferecer o mesmo benefício nutricional que a fruta inteira, não o faz. Não devem ser introduzidos no primeiro ano de vida e em crianças de 1 a 3 anos de idade, o consumo deve ser de até 120 ml ao dia.

Complemento alimentares, de vitaminas e minerais:

Ômega 3:

A ingestão de pelo menos 200 a 300 gramas/semana de frutos do mar ricos em ômega-3 e baixos em mercúrio, impulsionam o desenvolvimento cognitivo e desenvolvimento da linguagem e comunicação em crianças. (Caranguejo, ostras, salmão, sardinha, vieiras, camarão, lula e tilápia).

Ácidos graxos poli-insaturados são importantes no desenvolvimento cerebral e as principais fontes são peixes, óleo de peixe, óleo vegetal, nozes e sementes.

Vitamina D:

Como o leite materno não contém quantidades adequadas de vitamina D, o bebê deve receber 400 ui de vitamina D ao dia até estar desmamado, bebendo leite de vaca enriquecido com vitamina D ou fórmula infantil.

Ferro e zinco:

O ferro é importante no desenvolvimento neurológico normal e na função imunológica. Apresentam uma redução fisiológica nos 6 primeiros meses de bebês que amamentam, então deve ser suplementado.

Após os 6 meses de vida, os pais de bebes que amamentam devem fornecer alimentos ricos em ferro (carne vermelha, peixes, ovos, beterraba, gema de ovo, leguminosas, oleaginosas e vegetais verdes)  e zinco (linhaça, gema de ovo, leite integral, oleaginosas, melancia e feijão).

Introdução de alimentos mais alergênicos:

A introdução de amendoins e ovos logo após os 4 meses de idade pode reduzir o risco de alergia alimentar a esses alimentos. Ainda faltam evidências mais fortes para outros alérgenos, como nozes e frutos do mar, mas não há danos na introdução destes alimentos potencialmente alérgicos no mesmo período.

USO EXCESSIVO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES

USO EXCESSIVO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES

USO EXCESSIVO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES

Estamos em uma época de abuso de suplementos alimentares.

Recebo no consultório inúmeros pacientes usando mais de 10 tipos diferentes de suplementos (prontos ou manipulados) e com gastos mensais que superam os 1000 reais.

Ao analisar a fundo a lista de suplementos percebo que a grande maioria não tem eficácia comprovada ou foi negada em estudos, alguns estão em doses elevadas e tóxicas (ex: garcinia cambogia e extrato de chá verde) e inclusive, é feito a prescrição de testosterona tópica como se fosse um suplemento.

Por não serem considerados medicações, raríssimas pesquisas são realizadas sobre os possíveis danos e efeitos colaterais entre as interações dos suplementos alimentares.

A sensação que eu tenho, é que este tipo de prescritor dá vários tiros no escuro sem saber com qual melhor arma lutar. Acertar em algo ele vai, porém não sabe como e qual é o efeito indesejado de tanta substância. Não é atoa que recebo vários pacientes com múltiplas alterações clínicas e laboratoriais (função hepática, renal, colesterol, glicose, hormônios sexuais e outros) e tenho que fazer uma intensa pesquisa médica para descartar as possíveis causas destas disfunções.

O profissional de excelência é aquele que consegue obter a maioria dos macro e micronutrientes de uma dieta bem elaborada e não aquele que sabe prescrever mais suplementos, que como o próprio nome diz, serve para SUPLEMENTAR uma dieta.

Saiba mais em endocrinologiaesportiva.com.br

EXTRATO DE CHÁ VERDE

EXTRATO DE CHÁ VERDE

CHÁ VERDEO extrato de chá verde (ECV) potencializa as catecolaminas plasmáticas, influenciando assim o metabolismo e a termogênese.

Na posologia correta e na frequência cardíaca ideal de exercício, o ECV aumenta o metabolismo da gordura e reduz o do carboidrato.

Ao poupar o glicogênio muscular, reduz a percepção de fadiga e o tempo até a exaustão, e aumenta a potência e o tempo de realização do exercício, permitindo assim um maior gasto calórico.

O ECV melhora a composição corporal por aumentar a perda de gordura.

Ao aumentar o óxido nítrico, ajuda a reduzir a dor muscular pós exercício.

 

Sua ação ocorre APENAS durante o exercício e, principalmente, na atividade aeróbica.

Como aumenta a atividade catecolaminérgica, se consumido em altas doses, pode trazer malefícios.

Consulte sempre uma orientação profissional para a sua utilização.‬

Saiba mais em www.endocrinologiaesportiva.com.br

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?