QUER EMAGRECER SÓ COM EXERCÍCIOS FÍSICOS?

QUER EMAGRECER SÓ COM EXERCÍCIOS FÍSICOS?

atividadefísicaapenasnãoemagrece

É muito comum no consultório endocrinológico a procura por pacientes que se queixam da dificuldade de perda de peso mesmo realizando atividades físicas diárias. Acontece que atividade física apenas não emagrece.

Foi o que mostrou um trabalho publicado no The New England Journal of Medicine, um dos mais bem conceituados jornais de medicina. Neste estudo, 107 obesos com mais de 65 anos foram acompanhados por 52 semanas. Os participantes foram divididos em quatro grupos:
– grupo controle (não exercita e não faz dieta)
– grupo da dieta
– grupo do exercício
– grupo dieta + exercício

Enquanto o grupo dieta e o grupo dieta + exercício perderam quase 10% do peso corporal, o grupo da atividade física, mesmo tendo melhoras significativas no bem-estar e na capacidade física, apresentou a mesma perda de peso que o grupo controle. Ou seja, não tiveram perda significativa.

Extrapolando os resultados do estudos, podemos dizer que as pessoas do grupo que fizeram apenas atividade física, apesar de apresentarem um maior gasto calórico diário, provavelmente possuíam um maior consumo energético diário. É porque, para compensar o gasto energético do exercício, o nosso corpo nos manda estímulos hormonais para aumentar a ingestão alimentar diária, o que muitas vezes não percebemos.

Então, fazer atividade física não adianta?
A atividade física AJUDA na perda de peso, mas o essencial é uma dieta hipocalórica.

O exercício tem um papel bem mais importante na manutenção do peso perdido do que no emagrecimento propriamente dito. Algo de extrema importância, já que manter o peso é mais difícil do que emagrecer. Além disso, ao associar o exercício à dieta, perde-se proporcionalmente mais gordura, preservando, assim, a massa muscular.

LIRAGLUTIDA: PERDA MÉDIA DE 8,4KG EM 56 SEMANAS!!!

LIRAGLUTIDA: PERDA MÉDIA DE 8,4KG EM 56 SEMANAS!!!

LiraglutidaVocê já ouviu falar no uso da liraglutida no controle da obesidade?

O estudo SCALE, liberado em 2015 e realizado com 3.731 pacientes, mostrou excelentes resultados quando o uso de liraglutida foi feito em associação a um estilo de vida saudável.

Para entender melhor, a liraglutida é um análogo do hormônio GLP-1, ou seja, possui um composto ativo que imita o hormônio natural produzido pelo intestino. E porque esse hormônio estimula a liberação de insulina pelo pâncreas proporcional ao nível de glicose, é um medicamento utilizado no tratamento de diabetes desde 2011, e por também inibir o apetite, após o estudo SCALE, foi liberado no Brasil em 2016 para o controle de peso de adultos obesos ou com sobrepeso.

De acordo com o estudo, após 56 semanas, a média de peso perdida pelo grupo da liraglutida foi de 8,4 kg, tendo paciente que perdeu até 15,7 Kg. No estudo, 63,2% dos pacientes perderam mais de 5% de peso e 33,1% perderam mais de 10%. Já no grupo placebo, os resultados foram bem inferiores, havendo uma perda de peso média de 2,8 kg, sendo que apenas 27,1% dos pacientes perderam mais de 5% de peso e que 10,6% dos pacientes perderam mais de 10%.

O processo de perda de peso está relacionado à redução do apetite e do consumo energético diário. A perda de peso se manteve após a descontinuidade da medicação e, aparentemente, é mais eficaz em pacientes com o IMC menor que 40.

Além da perda de peso, os pacientes apresentaram uma maior redução da pressão arterial, da circunferência abdominal, da glicemia, dos lipídeos e dos marcadores de fatores de risco de doenças cardiovasculares.

Mas atenção! Como toda medicação, o uso do liraglutida apresenta indicações, contraindicações e efeitos colaterais. Portanto, sua prescrição deve ser feita apenas por um endocrinologista.

DIETA RICA EM GORDURA REDUZ A SACIEDADE

DIETA RICA EM GORDURA REDUZ A SACIEDADE

Gordura e saciedadeUma pesquisa realizada pela Universidade de Washington, Estados Unidos, demonstrou que uma alimentação rica em gorduras pode alterar a microbiota intestinal (flora intestinal), levando há um processo inflamatório local. Essa inflamação acomete os neurônios que transmitem informações ao cérebro, gerando interferências na comunicação e, por isso, alterando a habilidade cerebral em reconhecer a saciedade.

Resumindo, quem tem o hábito de ingerir alimentos mais gordurosos tende a não se sentir tão saciado. Isso faz com que a pessoa, na sua busca pela saciedade, coma mais calorias que o necessário e engorde.

Ainda não está claro se esta alteração é temporária ou intermitente. Porém, desde então, acredito que este é um dos motivos pelos quais crianças submetidas a uma dieta rica em gordura apresentem maior chance de serem adultos obesos. Pode ser também a razão de muitos pacientes relatarem essa dificuldade de se saciarem plenamente.

A dica que dou é: coma alimentos ricos em fibras!

Além de auxiliar no aumento da sensação de saciedade, a fibra reduz o potencial de absorção intestinal de gorduras. Portanto, aposte nas verduras, legumes, frutas e alimentos enriquecidos em fibras (pão integral, macarrão integral, etc.).

POR QUE DEVEMOS REALIZAR A BIOIMPEDÂNCIA?

POR QUE DEVEMOS REALIZAR A BIOIMPEDÂNCIA?

É muBIOIMPEDÂNCIAito comum os pacientes não perderem peso ao praticar atividades físicas e ao realizar dietas, porém apresentar uma redução das medidas corporais (a calça está caindo). Existe sempre o questionamento se junto com a perda de gordura houve um ganho de massa muscular, pois muitas vezes pode ser apenas um acúmulo de água na musculatura edemaciada.

Para se avaliar a composição corporal utilizamos a bioimpedância, que através de uma passagem de corrente elétrica imperceptível entre os membros inferiores e superiores, determina com alta precisão a quantidade de água, de gordura e de massa magra livre de gordura.

Ao se realizar a bioimpedância podemos avaliar com exatidão a evolução da perda de gordura e de ganho de massa muscular e a mudança da composição corporal do atleta, para aperfeiçoarmos a dieta, o treinamento físico e a prescrição dos medicamentos.

ATIVIDADE AERÓBICA EM JEJUM EMAGRECE?

ATIVIDADE AERÓBICA EM JEJUM EMAGRECE?

Atividade aeróbica em jejum emagrece?

Há muitos anos vem sendo hipotetizado que a atividade aeróbica em jejum emagrece. Na teoria, treinar após uma noite de jejum aceleraria a queima de gordura, já que haveria uma redução do nível basal de insulina e do estoque de glicogênio hepático (glicose do fígado), o que forçaria uma maior utilização da gordura como fonte energética com o objetivo de poupar o glicogênio muscular.

No intuito de se testar esta hipótese, foi realizado um estudo com 2 grupos de pacientes. O primeiro grupo realizaria a atividade em jejum e se alimentaria logo após o término do exercício, já o segundo grupo se alimentaria um pouco antes de se exercitar. Todos os pacientes receberam dietas hipocalóricas e foram reavaliados após 40 semanas de treinamento.

Os pacientes que se exercitaram em jejum não apresentaram uma maior redução do peso, do IMC, do porcentual de gordura corporal, da circunferência abdominal e da massa livre de gordura, ao se comparar com os pacientes que se alimentaram antes do exercício.

Nos pacientes que se exercitaram em jejum, realmente foi observado uma maior queima de gordura durante a atividade física, porém, ao longo do dia houve uma menor utilização de gordura como fonte energética, assim, tornando o seu gasto total de gordura diário semelhante ao grupo que se exercitou após uma refeição.

Então, resumindo, A PRATICA DE ATIVIDADE AERÓBICA EM JEJUM NÃO EMAGRECE, compromete a qualidade do treinamento e nos predispõe a um maior risco de lesões

O QUE É UM ENDOCRINOLOGISTA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE?

O QUE É UM ENDOCRINOLOGISTA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE?

endocrinologiaesportiva

 

O Endocrinologista e Metabologista é o médico especialista em hormônios e metabolismo. Para ser reconhecido pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, o médico formado tem que se especializar por dois anos em clínica médica e por mais dois anos em endocrinologia e metabologia, além de prestar e passar na prova de título realizada anualmente pela sociedade (SBEM).

O endocrinologista é especializado em obesidade, doenças da tireóide, paratireóide, adrenal, hipófise, ovários, testículos, pâncreas (diabetes), metabolismo ósseo, retardo e aceleração do desenvolvimento sexual, baixa e alta estatura, deficiência de vitaminas e sais minerais, hirsutismo (excesso de pêlos) e dislipidemia (gordura no sangue).

O endocrinologista com ênfase no esporte, associa todos os seus conhecimentos em hormônios e metabolismo com a fisiologia do esporte, a nutrição e nutrologia esportiva (suplementação alimentar) e as bases do treinamento físico, com a intensão de aperfeiçoar o desempenho dos atletas (recreativos e profissionais), a composição corporal (FITNESS – reduzir gordura e aumentar a massa muscular) e a qualidade de vida.

O endocrinologista esportivo deve sempre trabalhar em equipe com o nutricionista esportivo e com o educador físico, pois para alcançar o foco desejado o atleta deve ter uma alimentação balanceada e praticar uma atividade física orientada e específica. Estes profissionais não se anulam, mas se potencializam!

 

 

Olá! Como vai?
Em que posso te ajudar?